terça-feira, 31 de agosto de 2010

O VALOR DA BÍBLIA




Há muitos anos, existiu um homem muito rico que no dia do seu aniversário convocou a criadagem a sua sala para receberem presentes.

Colocou-os a sua frente na seguinte ordem: cocheiro, jardineiro, cozinheira, arrumadeira e o pequeno mensageiro. Em seguida, dirigindo-se a eles, explicou o motivo de os haver chamado até ali e, por fim, fez-lhes uma pergunta, esperando de cada um a sua própria resposta. Essa foi a pergunta feita:

- O que prefere você receber agora: esta Bíblia ou este valor em dinheiro?


- Eu gostaria de receber a Bíblia – Respondeu, pela ordem, o cocheiro – Mas, como não aprendi a ler, o dinheiro me será bastante mais útil!


Recebeu então a nota, de valor elevado na época, e agradeceu ao patrão. Esse pediu-lhe que permanecesse em seu lugar.


Era a vez do jardineiro fazer a sua escolha e, escolhendo bem as palavras, falou:


- Minha mulher está adoentada, e por esta razão tenho necessidade do dinheiro; em outra circunstância escolheria, sem dúvida, a Bíblia.


Como aconteceu com o primeiro, ele também permaneceu na sala após receber o valor das mãos do patrão. Agora, pela ordem, falaria a cozinheira, que teve tempo de elaborar bem a sua resposta:


- Eu sei ler, porém, nunca encontro tempo para sequer folhear uma revista; portanto, aceito o dinheiro para comprar um vestido novo.


- Eu já possuo uma Bíblia e não preciso de outra; assim, prefiro o dinheiro. Informou a arrumadeira, em poucas palavras.


Finalmente, chegou a vez do menino de recados. Sabendo-o bastante necessitado, o patrão adiantou-se em dizer-lhe:


- Certamente você também irá preferir dinheiro, para comprar uma nova sandália, não é isso, meu rapaz?


- Muito obrigado pela sugestão. De fato estou precisando muito de um calçado novo, mas vou preferir a Bíblia. Minha mãe me ensinou que a Palavra de Deus é mais desejável do que o ouro. Disse o pequeno mensageiro.


Ao receber o bonito volume, o menino feliz o abriu e nisso caiu aos seus pés uma moeda de ouro. Virando outras paginas, foi deparando com outros valores em notas. Vendo isso, os outros criados perceberam o seu erro e envergonhados deixaram o recinto.


A sós com o menino, disse-lhe comovido o patrão: “Que Deus o abençoe, meu filho, e também a sua mãe, que tão bem o ensinou a valorizar a Palavra de Deus.”


Pense agora: “O que pode ser mais valioso do que a palavra de Deus?”


Tudo aquilo que nós precisamos, Deus tem e deseja que tenhamos.


A nós, basta aceitar o que Ele nos oferece.


Autor desconhecido

terça-feira, 6 de julho de 2010

A verdadeira Assembleia de Deus

De onde veio e para onde vai essa igreja quase-centenária

Igreja Evangélica Assembleia de Deus, pioneira do Movimento Pentecostal no Brasil, completará 100 anos em 2011. Como assembleiano, sinto-me honrado por pertencer a essa instituição histórica que já teve em suas fileiras homens como Gunnar Vingren, Daniel Berg, Samuel Nyström, Orlando Boyer, Nels Nelson, Bernard Johnson, Lawrence Olson, Lewi Petrus, José Amaro da Silva, Eurico Bergstén, Cícero Canuto de Lima, Paulo Leivas Macalão, Alcebíades Vasconcelos, Estevam Ângelo de Souza, João Batista da Silva, José Leôncio da Silva, Rodrigo Santana, Isaac Martins, Alfredo Reikdal, Valdir Nunes Bícego e tantos outros.

Graças a Deus, ela ainda conta com homens piedosos, como José Wellington Bezerra da Costa, Antonio Gilberto da Silva, José Pimentel de Carvalho, Raimundo João de Santana, Sebastião Rodrigues de Souza, José Antonio dos Santos, Anselmo Silvestre, José Apolônio da Silva e outros pastores mais jovens, fiéis à Palavra do Senhor.

Às vésperas de seu centenário, no entanto, a Assembleia de Deus vem sofrendo na mão de alguns líderes, pregadores e cantores que não têm compromisso com a sã doutrina, os quais dão lugar a preferências pessoais, pontos de vista dissociados das Escrituras, experiências “transcendentais” e modismos injustificáveis. Tudo isso para atraírem multidões incautas e aumentarem receitas de igrejas ou patrimônios pessoais, ignorando textos como Mateus 7.13-23; 24.12; João 6.60-69; 2 Coríntios 2.17; 2 Timóteo 4.1-5 e 1 Timóteo 6.9,10.

A “NOVA GERAÇÃO”

Muitos líderes da chamada “nova geração”, sem visão espiritual e discernimento (Ap 3.17-19; Is 5.20; 1 Co 2.15), se deixam enganar por animadores de auditório, super-pregadores malabaristas e cantores famosos, celebridades que fazem muitas exigências. Por quê? Porque esses astros do mundo gospel conseguem juntar muita gente e, consequentemente, arrecadar boas ofertas… No final, todos ficam satisfeitos com os resultados (principalmente, financeiros). Menos o Senhor Jesus.

Em muitos congressos, pregadores (pregadores?) famosos se valem de técnicas de manipulação de massa para conseguirem o seu intento: conquistar o público, para depois “arrancar” dele a maior quantia em dinheiro vivo, cheques (muitos sem fundo, que geralmente ficam na igreja) e bens, como relógios, alianças, etc., que também costumam ficar na igreja… Técnicas como mandar o povo juntar as mãos, para as separarem apenas depois da ordem de super-pregadores (exibicionistas), têm sido usadas para supostamente demonstrar o poder de Deus. Mas isso nada tem que ver com o Evangelho. É produto da sugestão psicológica.

Outra estratégia usada por super-pregadores é derrubar pessoas e “anestesiá-las”, a fim de que recebam uma “cirurgia celestial”. Quando vários irmãos incautos estão deitados no chão, o pregador (pregador?) brada: “Agora vou tirar a anestesia por alguns instantes”. Isso basta para que várias pessoas comecem a gritar, deixando a plateia bastante eufórica. Sabe como se chama isso? Hipnose!

Nosso tempo tem sido marcado por imitações, más inovações (pois existem as boas inovações), misticismo e falsificações dentro das igrejas (At 20.27-30; 2 Pe 2.1,2; 1 Tm 6.3,4). Mas a Assembleia de Deus cresceu no Brasil seguindo ao modelo bíblico (2 Tm 1.13; Hb 8.5), e não a práticas místicas. Os pioneiros do Movimento Pentecostal foram fiéis à Palavra do Senhor (1 Pe 1.23,24) e puseram o fundamento (1 Co 3.10). Cabe a nós, que cremos na operação multíplice do Espírito Santo (1 Co 12.4-11), saber como devemos edificar.

O MODELO DO VERDADEIRO PENTECOSTES

O modelo para nós, hoje, continua no livro de Atos dos Apóstolos (ou melhor, Atos do Espírito Santo), especialmente no capítulo 2. Ali encontramos as características do verdadeiro Pentecostes, que gera crentes e igrejas genuinamente pentecostais. As aberrações que vemos em nossos dias se devem ao distanciamento do modelo bíblico-apostólico.

Em Atos 2.1-4, vemos que todos estavam reunidos. A palavra “todos” é inclusiva, o que denota unidade no Espírito Santo. Não havia lugar para discordâncias, contendas, divergências pessoais em torno das coisas de Deus; todos estavam ali, juntos, reunidos. Será que havia naquela igreja espaço para disputas desleais por posição, cargo, etc., como vemos em nossos dias, principalmente em convenções de ministros?

No dia de Pentecostes, veio do céu um som como de um vento (At 2.2). O que está ocorrendo atualmente nas igrejas vem mesmo do Alto? Reflitamos sobre a origem daquilo que ouvimos, vemos e sentimos (At 17.11). O verdadeiro revestimento de poder do Espírito vem de cima (Lc 24.49; At 11.15). A Palavra de Deus nos alerta quanto a “outro espírito” (2 Co 11.4), isto é, espíritos que se passam pelo verdadeiro Espírito de Deus (1 Jo 4.1).

O som que veio do Alto era como de um vento. Não houve vento natural, e sim algo semelhante a seus efeitos. O que isso representa? O vento tem as seguintes características: impulsiona; separa (Sl 1.4; Mt 3.12); movimenta; fertiliza (Cl 4.16; Jo 3.5,8); limpa; não tem cor (favoritismo, individualismo, discriminação); move-se continuamente (cf. Ec 1.6; Gn 1.2); espalha perfume; suaviza no calor; vivifica (Ez 37.8-10). Mas devemos ter cuidado com os ventos que não provêm do Espírito de Deus (Mt 7.25; Ef 4.14).

Línguas como que de fogo também foram repartidas (At 2.3). O verdadeiro Pentecostes tem algo para se ouvir, para se ver e para se repartir, mas “do Céu”. Textos como Atos 2.4; 10.44-46 e 11.15 evidenciam que as línguas estranhas são o sinal físico inicial do batismo com o Espírito Santo. Elas são apresentadas, também, como um dos dons espirituais (1 Co 12.10,30). É isso que evidencia o batismo no Espírito, e não “quedas de poder” ou risos intermináveis.

As línguas foram “como que de fogo”. O que isso significa? O fogo tem as seguintes características: alastra-se; comunica-se; purifica; ilumina; aquece. A Assembleia de Deus, bem como toda e qualquer igreja que deseja caminhar sob poder do Espírito, precisa desse fogo do Céu! Diante da manifestação do Espírito de Deus no dia de Pentecostes, muitos zombaram, dizendo: “Estão cheios de mosto” (At 2.13). Esses escarnecedores não eram pessoas ímpias, e sim religiosas. Hoje não acontece a mesma coisa? Há muitos zombadores e críticos religiosos. A Palavra de Deus afirma que, no último tempo, haveria escarnecedores (Jd v.18).

Entretanto, Pedro, cheio do Espírito Santo, pôs-se em pé e, além de dar uma resposta aos zombeteiros, pregou a Palavra de Deus (At 2.14-15). O verdadeiro Movimento Pentecostal é formado por crentes cheios do Espírito que ficam de pé para pregar o Evangelho, e não por aqueles que, dando lugar às suas emoções ou seguindo a modismos, caem ao chão para usufruir de “novas unções”…

Em muitos púlpitos (ou palcos?) não há mais espaço para a pregação expositiva. O tempo é ocupado por excesso de música, peças teatrais, coreografias… A Assembleia de Deus precisa olhar para os pioneiros (Jr 6.16) e se lembrar do temor que eles possuíam, do amor à Palavra e à oração, do desejo de evangelizar… Só assim o capítulo 29 de Atos do Espírito Santo continuará sendo escrito por essa igreja e outras, fiéis às Escrituras.

Fonte: CPAD News – Ciro Sanches Zibordi

Criado em Notícias, e-Destaque

www.assembleia.org.br

Deixe um comentário

terça-feira, 27 de abril de 2010

Cartas para Deus



O filme “Cartas para Deus” – veja excertos do filme no fim – foi produzido por um dos cineastas por detrás dos filmes Cristãos de sucesso, “Desafiando Gigantes” e “Prova de Fogo”. Atualmente o filme tem mais de 60.000 “adeptos” no Facebook e parece repetir o sucesso dos outros filmes cristãos. “Inspirado numa história verdadeira, ‘Cartas para Deus’ é uma íntima, tocante e muitas vezes engraçada história sobre o efeito que a fé de uma criança pode ter na sua família, amigos e comunidade”, diz um dos promotores do filme. “Cartas para Deus” foi inspirado na vida de Tyler Doherty, com 8 anos de idade, e a sua luta corajosa contra o cancro no cérebro. O pequeno fala com Deus através de cartas que Lhe envia diariamente. As suas cartas, que são orações na realidade, chegam às mãos de um carteiro decepcionado que procura sentido na sua própria vida. Da boca dos meninos Tyler é intrepretado pelo actor Tanner Maguire, de apenas 10 anos. A CBN News falou com ele sobre a relação da personagem com Deus. “Tyler vê Deus como o seu melhor amigo”, disse Maguire. “Ele escreve estas cartas a Deus como um menino que envia mensagens de texto a um amigo.” Jeffrey Johnson, interpreta o carteiro, que assegura que as cartas tocaram o coração da sua personagem. “Fala-se da sabedoria que sai da boca das crianças e é mesmo, porque nunca se sabe de onde virão respostas. Quando vemos este carteiro chegar à igreja, ele apenas dá uma espreitadela mas depois, gradualmente, aproxima-se mais. Nota-se que não sabe o que busca; é ‘algo’ que o encontra a ele.” Patrick Doherty, o pai verdadeiro de Tyler, escreveu o roteiro do filme, após a morte do seu filho. Ele acredita que a coragem e a fé de Tyler vai transmitir esperança aos outros. “Não apenas a esperança para quem sofre de cancro, mas também para aqueles que ficam, que sabem que não é o fim. Há mais vida, há vida após a morte, temos a eternidade com Deus, quando colocamos a nossa fé em Jesus Cristo.” Embora o filme tivesse sido inspirado pela luta do seu filho contra o cancro, Doherty admite, que ao princípio “Cartas para Deus” era apenas um bom título para um filme: uma boa metáfora da vida de Tyler. Foi só depois da morte do seu filho, e um ano e meio depois de escrever o guião, que Doherty encontrou as verdadeiras cartas para Deus de Tyler. “Eu estava a revistar o seu quarto, e encontrei um cadernito e abriu-o. Comecei a ler as coisas que ele havia escrito. Algumas eram engraçadas sobre a sua irmã e assim por diante, que me fez rir … eu continuei a ler e vi uma página que dizia: “Querido Deus”, e isso impressionou-me … então chamei a minha esposa e mostrei-lhe. Vimos logo que havia mais uma outra página e então soube que ele realmente havia escrito a Deus “, explica Doherty. Doherty disse que não há palavras que descrevam a dor de se perder um filho, mas disse que é reconfortante saber que com este filme, Tyler vai alcançar muitas pessoas para Cristo. “É impressionante que 5 anos depois de morrer, ele está novamente a tocar mais vidas, e eu acho que o legado continuará, graças a ele”. Robyn Lively, interpreta Maddy, a mãe de Tyler. Ela diz que o papel lhe fez ter um novo respeito para com as famílias que lutam contra o cancro. “Eu creio que para aqueles que enfrentam dificuldades como esta, a única maneira de poderem superá-las é com Deus.” O filme teve a sua estreia nos EUA no passado dia 9 de Abril.
video
Fonte: Site- www.assembleia.org.br (sue da Assembleia de Deus Online)

quarta-feira, 21 de abril de 2010

DENÚNCIA - Tráfico de crianças



Uma reportagem feita pela rede Record...
Essa reportagem foi feita no Camboja....

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

O FILME AVATAR E A NOVA ERA


Prezados leitores, o texto que segue foi extraído do site www.assembleia.org.br, Pr. Flauzilino Araújo e Pr. Guedes, claro, indico a todos.

O filme Avatar*, de James Cameron, é um fascinante e arrebatador sucesso nos cinemas. Seus efeitos especiais são tão tremendos que transportam a audiência vividamente para um outro mundo, no qual adorar uma árvore e ter comunhão com espíritos não são apenas aceitáveis, mas atraentes. Avatar é também marcadamente panteísta e essencialmente o evangelho segundo James Cameron. Esse tema panteísta, que iguala Deus às forças e leis do Universo, é apresentado claramente pelos heróis e heroínas do filme: todos adoram Eywa, a deusa “Mãe de Tudo”, que é descrita como “uma rede de energia” que “flui através de todas as coisas viventes”.

Sobretudo, o filme é repleto de mágica ritualística, comunhão com espíritos, xamanismo, e descarada idolatria, de forma que condiciona os espectadores a acreditarem nessas mentiras do ocultismo pagão. Além disso, a platéia é levada a simpatizar com o Avatar e termina torcendo por ele quando é iniciado nos rituais pagãos. No final, até mesmo a cientista-chefe torna-se pagã, proclamando que está “com Eywa, ela é real” e que ficará com Eywa após sua morte.

Enquanto a representação fictícia de James Cameron a respeito da religião da natureza presta-se muito bem à mentira da Nova Era de que as religiões dos nativos americanos [indígenas] eram favoráveis à vida e inofensivas, a representação dos sacerdotes maias em Apocalypto (de Mel Gibson), devedores de divindades sedentas por sangue, que exigiam o sangue de suas vítimas sacrificiais, estava muito mais perto da verdade. A maneira adocicada e romântica com que James Cameron mostra os selvagens e os antigos cultos à natureza em Avatar é oposta aos fatos encontrados em antigos códices e achados arqueológicos: estes revelam que os astecas, os maias e os incas estavam todos envolvidos em sacrifícios humanos em massa, inclusive tomando a vida de criancinhas inocentes para apaziguar seus deuses demoníacos.

Conhecendo o histórico das obras de James Cameron em atacar o cristianismo, e especialmente a ressurreição de Cristo no documentário absolutamente desacreditado The Lost Tomb of Jesus[exibido no Brasil como “O Sepulcro Esquecido de Jesus” e lançado em DVD como “O Sepulcro Secreto de Jesus”], não deveria nos surpreender que ele escrevesse e dirigisse uma propaganda de 300 milhões de dólares para promover o culto à natureza e aos espíritos.

Claramente, Hollywood tem tido uma influência persistente em arrancar os EUA [e o Ocidente] de suas raízes cristãs conservadoras e levá-los a crenças e práticas do ocultismo da Nova Era. O panteísmo atrai a turma de Hollywood porque ensina que todos somos Deus e que não precisamos nos preocupar em sermos obedientes ou em prestarmos conta diante de um Deus pessoal que criou o Universo.

Entretanto, não são apenas os diretores [de cinema] que rejeitam a Cristo que estão buscando fazer com que o mundo abrace a adoração à Terra sob a máscara de sua imaginária Deusa-Mãe Terra; é também o próprio líder do movimento do aquecimento global, Al Gore. Em seu livro Earth in the Balance, Gore sugere que voltemos à adoração da natureza e eleva várias seitas de adoradores da natureza e religiões dos nativos americanos ao status de modelo para nós: Essa perspectiva religiosa pan** poderá mostrar-se especialmente importante no que se refere à nossa responsabilidade pela terra como civilização global. (...) As religiões dos nativos americanos, por exemplo, oferecem um rico conjunto de idéias sobre nosso relacionamento com a terra. (...) Todas as coisas estão interligadas como o sangue que nos une a todos.[1]

Buscando uma síntese da Nova Era que combine várias tradições do ocultismo, Gore cita e favorece o ensinamento hinduísta, dizendo: “A Terra é nossa mãe, e nós todos somos seus filhos”.[2]

Incrivelmente, mais adiante Gore afirma que deveríamos buscar novas revelações a partir dessa adoração da deusa do passado e culpa o cristianismo pela quase total eliminação da mesma: O sentido espiritual de nosso lugar na natureza... pode ser traçado de volta às origens da civilização humana. Um crescente número de antropólogos e de arqueomitólogos... argumenta que a ideologia da crença prevalecente na Europa pré-histórica e em grande parte do mundo estava baseada na adoração de uma única deusa da terra, que se supunha ser a fonte de toda a vida e irradiadora de harmonia em meio a todas as coisas viventes. (...) O último vestígio de culto organizado à deusa foi eliminado pelo cristianismo. (...) Parece óbvio que um melhor entendimento de uma herança religiosa que precede a nossa própria por tantos milhares de anos poderia nos oferecer novas revelações.[3]

Gore prossegue declarando que precisamos encontrar uma nova religião baseada na natureza e cita Teilhard de Chardin, o teólogo da Nova Era, em apoio à “nova fé” do futuro: Esse ponto foi sustentado pelo teólogo católico Teilhard de Chardin, quando ele disse: “O destino da humanidade, assim como o da religião, depende do surgimento de uma nova fé no futuro”. Munidos de tal fé, poderemos achar possível ressantificar a terra.[4]

Com os diretores de vanguarda de Hollywood e as figuras políticas de Washington na liderança, os EUA [e o Ocidente] estão rapidamente voltando ao paganismo que envolveu o mundo em trevas espirituais durante milênios. Que Deus nos ajude a prestar mais atenção à admoestação do apóstolo Paulo, encontrada nas Sagradas Escrituras. Ele nos ensinou que a adoração à natureza nos tempos da Antigüidade era resultado do afastamento da adoração ao único e verdadeiro Deus que, para começar, foi quem criou a natureza:

“Porquanto, tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes em seus discursos se desvaneceram, e o seu coração insensato se obscureceu. Dizendo-se sábios, tornaram-se loucos. E mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível, e de aves, e de quadrúpedes, e de répteis. Por isso também Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si; pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém” (Rm 1.21-25).

(Joe Schimmel –www.goodfight.org - http://www.chamada.com.br)

* Segundo o hinduísmo, avatar é uma manifestação corporal de um ser imortal. Deriva do sânscrito Avatara, que significa “descida”, normalmente denotando uma encarnação de Vishnu (tais como Krishna), que muitos hinduístas reverenciam como divindade. Por extensão, muitos não-hindus usam o termo para denotar as encarnações de divindades em outras religiões.

** Pan: palavra de origem grega que significa “tudo, todas as coisas”.

Notas:
1. Al Gore, Earth in the Balance – Ecology and the Human Spirit [A Terra em Equilíbrio – A Ecologia e o Espírito Humano], 1992, p. 258-259).
2. Ibid. p. 161.
3. Ibid. p. 260.
4. Ibid. p. 263.
Publicado anteriormente na revista Chamada da Meia-Noite, março de 2010.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010


Há momentos em que nós temos vontade de fugir e nos esconder em algum lugar, não é verdade? Queremos nos afastar daquilo que nos incomoda ou que não nos faz bem. Enquanto tantas pessoas procuram abrigo em lugares errados, como é bom saber que podemos nos esconder em um lugar seguro, onde nada poderá nos afetar ou machucar nosso coração. Deus é nossa torre alta, nossa rocha, nosso escudo, nosso abrigo seguro. As circunstâncias podem tentar nos abater, nos tirar a esperança e a fé, mas sempre haverá um lugar seguro em Deus para nós. Basta que corramos diretamente para Ele.

Deborah Stafussi
Editora

Fonte: http://www.portasabertas.org.br/